Your cart
Close Alternative Icon
Down Arrow Icon
Bag Icon

O Porquê do Slow Fashion

Arrow Thin Left Icon
O Porquê do Slow Fashion

 Cada dia vemos mais e mais a banalização da moda e de seus produtos comercializados. Antes o efêmero era uma característica que agregava valor aos produtos e a coleção, hoje virou um defeito e truque de mercado. Diminuiu a criatividade, diminuiu a durabilidade e qualidade dos produtos, diminuiu a consciência e responsabilidade social e econômica tanto das marcas quanto dos consumidores. Tudo pela busca do imediatismo consumista de satisfazer  um capricho da economia quanto de um problema social e psicológico do “quero agora” e “preciso disso, para ser feliz”. O Fast Fashion se apoderou desses dois grandes males que sociedade vive nesse momento, a crise de ansiedade que quase todos sofrem e a crise econômica financeira que toda a economia mundial vive.

 Muitos esqueceram do significado da palavra moda, ou que a moda é uma ciência e não a penas produtos comercializados em lojas, na realidade moda é uma maneira de expressão social por meio de suas vestimentas, ela informa o comportamentos de uma determinada época, ela informa opiniões, costumes e gostos, mostra uma forma de agir e varias vezes ela é uma expressão política e social. Não são produtos criados sem uma função, isso que está acontecendo hoje está deixando o verdadeiro sentido da moda e transformando em apenas consumismo, expondo o problema psicológico e social que estamos passando. Um vazio.  

 A resposta está sendo enviada, o Slow Fashion veio na contra mão de tudo que o Fast Fashion prega. É como uma “solução” social e econômica dessa crise de ansiedade e de dinheiro que estamos vivendo. Mostra que a moda não precisa ser efêmera da maneira como está sendo usada, que o descarte rápido de coleção e produtos comercializados não representam a verdade, o que é moda e o que é um verdadeiro criador.

 A velocidade que os produtos vêm sendo lançados pelas grandes marcas, não é a realidade de uma verdadeira “criações” ou desenvolvimento de produto. Pois conseguir entender uma necessidade e “criar”, melhor dizendo, desenvolver uma solução para elas, correspondem ao tempo que hoje as coleção são lançadas e liquidadas em lojas, já vemos grandes marcas, marcas boas e caras que a cada dois meses ela promove uma liquidação ou uma promoção de sua coleção, bem antes do fim da estação ela adianta uma nova coleção já da próxima estação só para gerar mais vendas, “suprindo” a crise da ansiedade de suas consumidoras. Ok, ela solucionou ou alimentou o problema?

 Ao mesmo tempo que aumenta o consumo por “novidades” as peças diminuem sua vida útil, aumentando o descarte e o “fora de moda”, com isso foi desenvolvido um novo hábito, baixa qualidade na matéria-prima, maior lucro, por tanto mais facilidade para liquidar e continuar a ter lucro. O Slow Fashion já âge de outra maneira, como seus produtos demoram para serem desenvolvidos, ele necessita de melhor qualidade, pois não vão “cair de moda” tão rápidos, ele busca o verdadeiro sentido do Comércio Justo e Preço Justo.

 O Slow Fashion, retomou a antiga prática das grandes casas de moda, cada marca que prega esse slogan de Slow Fashion, busca uma identidade própria, respeitar o DNA para ser diferente, tenta atender às necessidades de seus clientes com o desenvolvimento de produtos; assim buscando matérias-primas melhores e mais diferentes, maior qualidade e durabilidade, como seu problema não é quantidade, o Slow Fashion não faz seleção por fornecedores e mão-de-obra mais barata e sim por aquele que representa o tipo de produto e consumidor que esperar alcançar. Prega uma cadeia mais saudável onde todos crescem, marca, fornecedores e mão-de-obra. Nenhum é estrangulado por melhores preços, todos são remunerados pelo tipo de qualidade que oferece.

 A aproximação do cliente com a marca de Slow Fashion, faz com que ele participe e saiba de todo o processo do desenvolvimento do produto, sua origem, de como é feito e até o processo final que é a venda. Tornou novamente o mercado de moda algo mais humano e que a origem e sua fabricação é mais importante do que o preço, aumentando identidade da marca e diferenciação das outras, muitos não trabalham com liquidação pois fazem a prática do Comércio Justo, diminuindo o problema da guerra de preço que o mercado usual estabeleceu. Pois as marcas grandes mais comercias há menos “criação” mais cópias das internacionais, com isso todos oferecem produtos similares, mas com algumas diferenças que são; qualidade e markup.

 A Moda Lenta para os estilistas e designers que trabalham assim, é a melhor resposta e respeito que foi encontrada para suas “criações” pois não é praticado o descarte, “fora de moda” ou “efêmero”. A cada produto desenvolvido é aumentada sua vida útil e singularidade.







                     .